Publicado por: Djalma Santos | 5 de novembro de 2014

GENÉTICA NA UPE

01. (UPE-2001) Sabendo-se que o daltonismo tem herança recessiva ligada ao sexo, e o sistema sanguíneo ABO tem herança autossômica condicionada por uma série de alelos múltiplos analise a genealogia e, em seguida, assinale a alternativa correta. Para interpretação, os símbolos dos indivíduos têm representados, na metade esquerda, o fenótipo para a visão e, na metade direita, o fenótipo para o grupo sanguíneo.

01

a) Considerando que o pai do indivíduo II5 é daltônico e de sangue tipo O, a probabilidade de que o casal II5 X II6 venha a ter uma criança do sexo masculino, daltônica e de sangue tipo o é 1/16.

b) Os genótipos dos gêmeos monozigóticos e dizigóticos correspondem a XdY ii e XDXd IAi, respectivamente.

c) Em casos de extrema necessidade, o individuo III6 poderá receber sangue dois indivíduos I2, II1, II5, II6 e III5.

d) O indivíduo II1, casando-se com uma mulher daltônica e de sangue tipo AB, terá 1/4 de probabilidade de ter uma criança, do sexo feminino, daltônica e de sangue tipo AB.

e) Os genótipos dos indivíduos III1 e II7 são, respectivamente, XDY IAi e XDXd IA IB.

02. (UPE-2003) Um casal fez um teste para determinar seu tipo sanguíneo. Pedro apresentou aglutinogênios A, aglutininas anti-B e fator Rh, e o sangue de Maria mostrou reações de aglutinação com os soros anti-A e anti-Rh, como verificado na lâmina.

02

Considerando os resultados pode-se concluir que:

a) O casal apresenta o mesmo tipo de sangue para o sistema ABO e, se forem heterozigotos terão 50% de probabilidade de originar uma criança de sangue tipo O.

b) O casal tem, pelo menos, 25% de probabilidade de ter uma criança de sangue tipo AB.

c) Em casos de necessidade de uma transfusão sanguínea, Pedro poderá ser receptor de Maria e não doador para ela.

d) Se o segundo filho desse casal for de sangue A Rh+, pode haver doença hemolítica de recém-nascido, a eritroblastose fetal.

e) Para o loco do sistema ABO, Maria pode apresentar IAIA ou IA

03. (UPE-2004) Antônio e Mara pretendem ter filhos. Entretanto, como em suas famílias há indivíduos hemofílicos e/ou albinos, embora ambos sejam normais para essas características, resolveram procurar aconselhamento de um especialista e relataram o seguinte:

– Os pais de Antônio e a mãe de Mara são normais para essas características, entretanto, o pai de Mara é albino e hemofílico.

– O avô materno de Antônio era hemofílico.

– Do seu primeiro casamento, Antônio tem uma filha albina.

Com base nos dados acima e considerando que o tipo de hemofilia apresentado é de herança recessiva ligada ao cromossomo X e o albinismo, de herança autossômica recessiva, analise as informações.

I. A probabilidade de o casal ter uma criança albina e hemofílica será de 1/16, independente do sexo.

II. Dentre as crianças do sexo masculino, o casal terá 1/2 de probabilidade de ter um filho albino e hemofílico.

III. Dentre as crianças do sexo feminino, o casal terá 0% de probabilidade de ter uma filha albina e hemofílica.

IV. Como Antônio e Mara são portadores do alelo para a hemofilia, transmitido para Antônio através de seu avô e para Mara, através de seu pai, o casal tem 1/4 de probabilidade de gerar uma criança com essa característica, independente do sexo.

V.  Como Antônio tem uma filha albina, independente do genótipo de Mara, o casal terá 1/2 de probabilidade de ter uma criança albina.

Assinale a alternativa que contempla a(s) informação(ões) declarada(s) corretamente pelo geneticista.

a) I e III.

b) II e IV.

c) IV e V.

d) Apenas a II.

e) Apenas a III.

04. (UPE-2004) Sobre indivíduos portadores da síndrome de Down, analise as afirmativas abaixo

I   II

0 0 – Em geral, os portadores apresentam língua protrusa, retardo mental de intensidade variável e malformações cardíacas.

1 1 – Em ambos os sexos, a análise do núcleo interfásico revela a presença da cromatina sexual.

2  2 – A alteração cromossômica, presente nesses indivíduos, pode surgir por uma disjunção irregular do par cromossômico 22, durante a separação dos homólogos na meiose I ou das cromátides irmãs na meiose II, em um dos parentais.

3  3 – Os portadores podem apresentar cariótipo 45 A + XX, quando do sexo feminino, ou 45 A + XY, quando do sexo masculino.

4  4 – Cariotipicamente, os portadores apresentam uma monossomia do par cromossômico 21.

05. (UPE-2004) A Drosophila melanogaster tem sido um modelo biológico muito utilizado pela genética clássica e pela molecular para compreensão dos modos de herança. Dentre os genes mapeados desse organismo, suponhamos que os genes para cor do corpo e tipo de asa estejam localizados no cromossomo 2, distantes um do outro a 18 unidades de recombinação. A cor cinza do corpo é condicionada pelo alelo dominante P, e a cor preta, pelo alelo recessivo p. A asa longa é condicionada pelo alelo dominante V, e a asa vestigial, pelo alelo recessivo v. Considerando esses dados, verifique seus conhecimentos sobre genes ligados, analisando as proposições.

I. Uma fêmea de corpo cinza e asas longas, em que um dos parentais tinha corpo cinza e asas longas, e o outro tinha corpo preto e asas vestigiais, sendo fecundada por um macho duplamente recessivo para essas características, terá 9% de probabilidade de ter moscas de corpo cinza e asas vestigiais.

II. Uma fêmea duplamente heterozigota e que porta os genes em posição trans, poderá originar dois tipos de gametas recombinantes nas seguintes proporções: 9% PV e 9% pv.

III. Uma fêmea de genótipo Pv/pV, durante a gametogênese, não havendo crossing-over, poderá dar origem a quatro tipos de gameta nas seguintes proporções: 25% PV; 25% pv; 25% Pv; 25% pV.

IV. Estimando-se que um terceiro gene (A) esteja localizado a 3 unidades de recombinação do gene P e a 21 unidades de recombinação do gene V, deduz-se que a frequência de permutação entre os genes A e V será de 24%.

Assinale a alternativa que apresenta as proposições corretas.

a) Apenas I e II.

b) Apenas I e IV.

c) Apenas III e IV.

d) Apenas II e III.

e) I, II, III e IV.

06. (UPE-2005) Um homem hemofílico casa-se com uma mulher normal, cujo pai é hemofílico. Sabendo-se que a hemofilia tem herança recessiva ligada ao cromossomo X, analise as afirmativas.

I. A mulher é portadora para a hemofilia e, consequentemente, todos os seus filhos homens serão hemofílicos.

II. Como o homem tem hemofilia, e a mulher é portadora para esse caráter, o casal terá 50% de probabilidade de gerar uma criança hemofílica, sem considerar o sexo.

III. Dentre as crianças do sexo masculino, 50% delas poderão ser hemofílicas.

IV. Dentre as crianças do sexo feminino, 50% poderão ser portadoras e 25% poderão ser hemofílicas.

Assinale a alternativa que contempla a(s) afirmativa(s) correta(s).

a) I e II.

b) II e III.

c) I e IV.

d) Apenas a I.

e) Apenas a IV.

07. (UPE–2007) Sabe-se que a miopia é determinada pela ação de um gene recessivo autossômico m. Um casal de visão normal, cujas mães eram míopes, teve 3 filhas, todas com visão normal. Qual a probabilidade de o próximo filho ser do sexo masculino com visão normal?

a) 3/4.

b) 1/4.

c) 1/2.

d) 3/8.

e) 1/8.

08. (UPE-2009) Da família Silva nasceu um casal de gêmeos. O menino apresentou, logo na infância, sintomas da agamaglobulinemia, condição hereditária recessiva ligada ao cromossomo X, que afeta o sistema imunológico. A menina, de nome Sandra, era normal. Sandra casou-se com um homem normal, e seu primeiro filho, do sexo masculino, também nasceu afetado pela agamaglobulinemia. A probabilidade de Sandra e seu esposo, na próxima gravidez, terem uma menina com agamaglobulinemia é:

a) 100%.

b) 75%.

c) 50%.

d) 25%.

e) Zero.

09. (UPE-2010) “Casamentos entre parentes próximos, como primos, aumentam as chances de as uniões ciganas gerarem crianças com problemas genéticos, a exemplo da surdez. – O preço de manter a tradição”

Jornal do Commercio, Recife, maio de 2010.

Sob esse título, o jornal apresenta uma matéria sobre as formas com que grupos ciganos, que vivem no interior nordestino, preservam sua identidade e se mantêm isolados das influências de outras culturas, explicitando interessantes costumes bem como aspectos sociais e de saúde. Analise as afirmativas abaixo que abordam questões genéticas relacionadas com o tema.

I. O aconselhamento genético, realizado por geneticistas especializados, é especialmente indicado nos casos de casamentos consanguíneos ou não em que há histórico de doenças hereditárias na família.

II. Em casamentos consanguíneos, há aumento da probabilidade de alelos deletérios recessivos encontrarem-se dando origem a pessoas homozigotas doentes.

III. Os filhos dos casamentos endogâmicos têm graves problemas genéticos, causados pela autofecundação, com maior número de alelos em homozigose.

IV. Populações isoladas geram mutações de más formações orgânicas e mentais, a exemplo da surdez.

V. Nas populações pequenas, como no caso dos ciganos, em que os grupos se mantêm isolados por muitas gerações, há uma grande tendência de haver maior variabilidade genética.

Em relação aos problemas genéticos citados, estão corretas as afirmativas:

a) I e II.

b) II e III.

c) III e IV.

d) IV e V.

e) I, III, IV e V.

10. (UPE-2011) O heredograma abaixo representa o padrão de segregação para Acondroplasia, uma das formas de nanismo humano, condicionada por um gene, que prejudica o crescimento dos ossos durante o desenvolvimento. Essa doença genética humana apresenta letalidade, se ocorre em homozigose (AA).

10

Com relação à figura, conclui-se que:

I   II

0  0 – O padrão de herança do caráter em estudo é autossômico dominante.

1  1 – Os indivíduos I1 e II2 são homozigotos dominantes para o caráter.

2  2 – O casal III3 e III4 possui a probabilidade de que, independente do sexo, 1/2 de seus filhos

nascidos vivos possam ser normais e 1/2 portadores da doença.

3 3 – O indivíduo IV1 representa um aborto, e seu genótipo é AA, que, em condição  homozigótica, tem efeito tão severo que causa a morte do portador ainda durante o  desenvolvimento embrionário.

4  4 – Todos os acondroplásicos nascidos vivos desta genealogia são heterozigotos.

11. (UPE-2011) Ao receber a tipagem sanguínea AB e B, respectivamente, de seus gêmeos bivitelinos recém-nascidos, um homem questiona a equipe médica sobre uma possível troca de bebês, visto ele ser do grupo sanguíneo A e sua mulher, do tipo O. Além disso, o casal possuía duas filhas de quatro e três anos com tipos sanguíneos O e A, respectivamente. Os médicos alegaram não ter ocorrido troca, pois, naquele dia, apenas o casal havia gerado meninos, enquanto as demais crianças eram meninas. A equipe médica realizou, então, uma bateria de testes com o casal e os bebês, obtendo os seguintes resultados:

1. Após teste de DNA, foi revelado que os bebês pertenciam ao casal.

2. A mãe dos bebês possui o fenótipo Bombaim.

As proposições abaixo estão relacionadas a esses fatos. Analise-os e conclua.

I   II

0  0 – Os antígenos A e B são sintetizados a partir de uma substância H, devido a um gene H que se manifesta apenas em heterozigose.

1  1 – O sangue dos indivíduos de genótipo hh não produz a substância H, e, portanto, estes não poderão expressar antígenos A e/ou B, mesmo que possuam o genótipo para produzi-los.

2  2 – O genótipo da mãe dos bebês é IBIB hh, o que justifica ela ser um falso O e poder ter crianças com antígeno B ou sem antígenos na superfície das hemácias.

3 3 – Como o casal possui filhas com tipos O e A, o genótipo do pai dos bebês é, obrigatoriamente, IAIA HH.

4 4 – A mãe, falso O, por ter o alelo IB, poderá transmiti-lo aos seus descendentes, que poderão manifestar o fenótipo tipo B, por possuírem um gene H recebido do pai.

12. (UPE-2012) A aplicação do princípio de Hardy-Weinberg, representado pela equação matemática p2 + 2pq + q2, é importante para se estimar a frequência de alelos de doenças hereditárias nas populações. Uma delas é a fenilcetonúria (PKU), detectada pelo teste do pezinho. Os afetados (q2) podem vir a sofrer grave retardo mental ao ingerir fenilalanina, por não possuírem a capacidade de degradar esse aminoácido essencial, encontrado em diversos alimentos, inclusive no leite. Em uma amostra de 2.000 pessoas, verificou-se que os homozigotos recessivos para PKU correspondiam a 4%. Qual a frequência de indivíduos com genótipo dominante homozigoto e heterozigoto respectivamente?

a) p2 = 0,80; 2pq = 0,20.

b) p2 = 0,64; 2pq = 0,32.

c) p2 = 0,54; 2pq = 0,46.

d) p2 = 0,29; 2pq = 0,67.

e) p2 = 0,15; 2pq = 0,70.

13. (UPE-2013) Observe o esquema a seguir:

13

Desenho de libélula disponível em:

http://criandoartepravoce.blogspot.com (Adaptado)

Com base no esquema acima, analise as seguintes proposições:

I. Gametas portadores dos alelos E/C e dos alelos e/c ocorrem em uma proporção maior que a dos gametas portadores dos alelos E/c e e/C, caracterizando um arranjo trans.

II. Na descendência, as classes que surgem em maior frequência portam as combinações parentais dos alelos, e aquelas em menor frequência são, portanto, as recombinantes, caracterizando uma ligação gênica.

III. O cruzamento-teste da fêmea duplo-heterozigótica com o macho duplo- homozigoto recessivo mostra quatro tipos de genótipos na descendência, embora em proporções diversas das esperadas, segundo a lei de segregação independente.

IV. O fenótipo dos descendentes é determinado pela constituição genética do espermatozoide, visto que o macho é homozigoto recessivo duplo, fornecendo alelos recessivos para os descendentes.

Estão corretas:

a) I e II.

b) I e III.

c) I, II e IV.

d) II e III.

e) II, III e IV.

14. (UPE-2014) A determinação do sexo nos seres vivos está condicionada a diversos sistemas que envolvem processos e mecanismos distintos, importantes para a perpetuação e manutenção das espécies. Na maioria dos casos, é determinado por mecanismos genéticos, que caracterizam os sexos opostos. Em alguns grupos de organismos, um par de cromossomos sexuais é diferenciado no cariótipo de indivíduos do sexo feminino e do sexo masculino; em outros, não há diferenças morfológicas entre os cromossomos, embora alguns deles contenham os genes que definem os sexos. Em relação aos sistemas de determinação do sexo, analise as afirmativas a seguir:

I. Na maioria das espécies, indivíduos sem cromossomo “X” ou “Z” não conseguem sobreviver por possuírem grande quantidade de genes envolvidos em diversas características, enquanto o cromossomo “Y” ou “W” não afeta a sobrevivência por apresentar pouquíssimos genes.

II. Nas espécies dioicas, tais como a maioria dos vertebrados e das plantas com flores, a determinação do sexo por intermédio do sistema XY ocorre no momento da fecundação e depende da ação de genes específicos, que atuam no desenvolvimento do novo organismo, tornando-o macho ou fêmea.

III. No sistema de determinação sexual XY, as fêmeas são capazes de originar apenas um tipo de gameta, com metade dos alossomos e um autossomo sempre X. Já o macho é heterogamético, produzindo gametas com autossomo X ou autossomo Y.

IV. No sistema de determinação XO, as fêmeas são homogaméticas por possuírem cromossomos homólogos (XX), originando apenas um tipo de gameta, e os machos são heterogaméticos por possuírem cromossomos homólogos (X0), originando dois tipos de gametas.

V. No sistema de herança sexual ZW de algumas espécies de répteis e aves, a heterogamia é mostrada pelas fêmeas, por apresentar cromossomos sexuais (ZW), enquanto a homogamia é mostrada pelo macho (ZZ), assim é a fêmea que determina o sexo da prole.

Estão corretas, apenas:

a) I, II, IV e V.

b) I, II, III e V.

c) I, II e V.

d) I, II, III e IV.

e) I, II e III.

15. (UPE-2014) João Silva, jovem, estudioso, aplicado e muito responsável, estudante de uma escola do Estado de Pernambuco, foi um dos selecionados para participar da Olimpíada Estadual de Biologia. No dia da Olimpíada, foi entregue a ele uma avaliação na qual havia as seguintes afirmações sobre os alelos múltiplos:

I. Os alelos múltiplos são resultantes de mutações sucessivas de genes preexistentes de um determinado locus, e seus efeitos genéticos dependem de suas relações de dominância.

II. Nos gametas de um indivíduo diploide, podem existir dois alelos múltiplos diferentes de uma determinada série, enquanto nas células somáticas, existe apenas um.

III. Os alelos múltiplos mutantes, que surgem, estabelecem condições para o aparecimento de mais uma nova expressão fenotípica daquele caráter naquela espécie.

IV. A determinação da tipologia sanguínea, na espécie humana, a partir do sistema ABO, é um exemplo de polialelia que ocorre em diferentes locus de cromossomos homólogos.

V. Os alelos múltiplos são capazes de causar alterações estruturais nos genes de forma que é possível ocorrer mais de um par de alelos para um determinado gene.

Com base no que João Silva aprendeu sobre esse conteúdo, ele considerou corretas as afirmativas contidas na alternativa:

a) I, II e III.

b) I, II e IV.

c) I, III e IV.

d) I, III e V.

e) I, II e V.

16. (UPE-2014) Observe a figura a seguir:

16

Entre os insetos, está sendo realizado um censo. A pulga levanta informações sobre a determinação sexual de cada um deles. Sobre isso, leia atentamente as afirmativas a seguir:

I. Em gafanhotos, algumas espécies não apresentam o cromossomo Y; os machos são hemizigotos, e as fêmeas possuem dois cromossomos X. Portanto, no sistema XO, o zero é indicativo da ausência de um cromossomo sexual.

II. Algumas espécies de joaninhas possuem o sistema de determinação sexual do tipo XX/XY. Dessa forma, o macho heterogamético é o responsável pela determinação sexual na prole.

III. Em algumas espécies de borboletas, o sistema de determinação é do tipo ZZ/ZW, e os machos são heteromórficos, ou seja, apresentam dois cromossomos sexuais diferentes.

IV. Em himenópteros, como formigas, o sistema de determinação sexual é do tipo haploide/diploide, sendo os machos diploides (2n) e as fêmeas haploides (n).

Estão corretas:

a) I e II.

b) I, III e IV.

c) II e III.

d) II, III e IV.

e) III e IV.

gab

Anúncios

Responses

  1. Professor, o senhor poderia me explicar o porquê da afirmativa IV na questão 14 estar incorreta? (O gabarito consta que estão certas apenas I, II e V). Desde já muito obrigada

    • 14. (UPE-2014) A determinação do sexo nos seres vivos está condicionada a diversos sistemas que envolvem processos e mecanismos distintos, importantes para a perpetuação e manutenção das espécies. Na maioria dos casos, é determinado por mecanismos genéticos, que caracterizam os sexos opostos. Em alguns grupos de organismos, um par de cromossomos sexuais é diferenciado no cariótipo de indivíduos do sexo feminino e do sexo masculino; em outros, não há diferenças morfológicas entre os cromossomos, embora alguns deles contenham os genes que definem os sexos. Em relação aos sistemas de determinação do sexo, analise as afirmativas a seguir:
      I. Na maioria das espécies, indivíduos sem cromossomo “X” ou “Z” não conseguem sobreviver por possuírem grande quantidade de genes envolvidos em diversas características, enquanto o cromossomo “Y” ou “W” não afeta a sobrevivência por apresentar pouquíssimos genes.
      II. Nas espécies dioicas, tais como a maioria dos vertebrados e das plantas com flores, a determinação do sexo por intermédio do sistema XY ocorre no momento da fecundação e depende da ação de genes específicos, que atuam no desenvolvimento do novo organismo, tornando-o macho ou fêmea.
      III. No sistema de determinação sexual XY, as fêmeas são capazes de originar apenas um tipo de gameta, com metade dos alossomos e um autossomo sempre X. Já o macho é heterogamético, produzindo gametas com autossomo X ou autossomo Y.
      IV. No sistema de determinação XO, as fêmeas são homogaméticas por possuírem cromossomos homólogos (XX), originando apenas um tipo de gameta, e os machos são heterogaméticos por possuírem cromossomos homólogos (X0), originando dois tipos de gametas.
      V. No sistema de herança sexual ZW de algumas espécies de répteis e aves, a heterogamia é mostrada pelas fêmeas, por apresentar cromossomos sexuais (ZW), enquanto a homogamia é mostrada pelo macho (ZZ), assim é a fêmea que determina o sexo da prole.
      Estão corretas, apenas:
      a) I, II, IV e V.
      b) I, II, III e V.
      c) I, II e V.
      d) I, II, III e IV.
      e) I, II e III.
      Prezada Maria Gabriela
      Veja, a seguir, a resolução da questão acima.
      ALTERNATIVA CORRETA: C (“I, II e V.”)
      DISTRIBUIÇÃO CROMOSSÔMICA DO SEXO
      A teoria cromossômica do sexo tem por base o fato de que a maioria dos indivíduos possui, em suas células somáticas, dois tipos de cromossomos, denominados autossomos (somáticos) e cromossomos sexuais (heterocromossomos, alossomos ou idiocromossomos), estes relacionados diretamente com a determinação do sexo. No par de cromossomos sexuais há sempre uma diferença quanto ao tamanho e a estrutura entre os dois homólogos nos indivíduos de um dos sexos. Essa diversidade na distribuição dos heterocromossomos entre os machos e as fêmeas têm mostrado algumas diferenças conforme a espécie estudada. Mostramos, a seguir, os tipos mais comuns de distribuição cromossômica do sexo.
      I. SISTEMA XY
      Observado nos seres humanos e em um grande número de outras espécies, inclusive em algumas espécies de plantas. Neste caso, as fêmeas possuem dois cromossomos sexuais iguais do tipo X [tem cariótipo 2A (autossomo) + XX] e os machos têm um cromossomo sexual X e um Y [tem cariótipo 2A (autossomo) + XY]. Dessa forma, todos os gametas das fêmeas são iguais, portando um cromossomo X (AX), razão pela qual são consideradas homogaméticas. Os machos, por outro lado, produzem gametas com cromossomos X (AX) e gametas com cromossomos Y (AY), razão pela qual são denominados heterogaméticos. O sexo dos descendentes é, portanto, determinado no momento da fecundação, dependendo do espermatozoide que fecunda o óvulo.
      II. SISTEMA X0 (TIPO PROTENOR)
      Observado em coleópteros (besouros), entre os quais foi encontrado primeiramente no gênero “Protenor”. Ocorre, também, em baratas, gafanhotos, percevejos, etc. Neste caso, a fêmea é do tipo XX [tem cariótipo 2A (autossomo) + XX] e o macho é monossômico quanto ao sexo (X0). Embora ele possua os cromossomos autossômicos aos pares (2A), só apresenta um heterocromossomo que é também do tipo X [tem cariótipo 2A (autossomo) + X0]. Assim sendo, ao formar gametas, ele origina espermatozoides que contêm um autossomo de cada par e um cromossomo X (AX), bem como, gametas que só têm os autossomos, sem nenhum heterocromossomo (A0), sendo, portanto, heterogamético, ao contrário da fêmea. Dessa forma, a exemplo do tipo XY, visto acima, o sexo dos descendentes depende do tipo de espermatozoide que fecunda o óvulo.
      III. SISTEMA ZW (TIPO ABRAXAS)
      Foi identificado pela primeira vez em lepidópteros (borboletas) do gênero “Abraxas”. Ocorre, também, em mariposas, peixes, anfíbios, répteis e aves. Nesse sistema, a fêmea, é heterogamética e representada por 2A + ZW (ZW corresponde a XY) e o macho é homogamético [2A + ZZ (onde ZZ corresponde a XX)]. Assim sendo, o sexo dos descendentes depende do tipo de gametas produzido pela fêmea (AZ ou AW)
      IV. SISTEMA Z0
      Semelhante ao anterior. As fêmeas, no entanto, não apresentam o cromossomo W Ocorre em certas aves domésticas e alguns tipos de répteis.
      COMPLEMENTO
      I. DETERMINAÇÃO DO SEXO EM DROSÓFILAS (ÍNDICE SEXUAL OU BALANÇO GÊNICO)
      A “Drosophila melanogaster” apresenta 8 cromossomos em seu cariótipo, sendo 3 pares autossômicos e 1 par sexual (X e Y). Nesse inseto, a determinação do sexo depende de um balanço entre a quantidade de cromossomo X e a quantidade de lotes autossômicos, denominado índice sexual (IS), que pode ser representado pelo número de cromossomos X sobre o número de lotes autossômicos (número de cromossomos X/número de lotes autossômicos). O cromossomo Y passa a ter função relacionada apenas com a fertilidade nos machos, não interferindo, portanto, na determinação do sexo. Havendo um cromossomo X para dois lotes de autossomos (IS = 0,5), a mosca é macho normal. Caso haja dois cromossomos X para dois lotes de autossomo (IS = 1), ela é fêmea normal. IS menor que 1 (um cromossomo X e três lotes autossômicos): supermacho (metamachos). Índice sexual entre 0,5 e 1 (dois cromossomos X e três lotes autossômicos): intersexuado. IS maior que 1 (três cromossomos X e dois lotes autossômicos): superfêmea (metafêmea). Supermachos, intersexuados e superfêmeas são, via de regra, estéreis.
      II. A HAPLOIDIA E A DIPLOIDIA COMO DETERMINANTE DO SEXO
      Nas abelhas, por exemplo, o sexo não depende da presença de cromossomos X, e sim da ploidia (número cromossômico). Assim sendo, os machos (zangões) são haploides (n), enquanto as fêmeas (rainhas e operárias) são diploides (2n).
      III. CROMOSSOMO Y
      Nos mamíferos, esse cromossomo apresenta um gene denominado SRY 9 (“sex-determining region Y”), codificador de uma proteína que induz, no embrião, a formação de testículo, ativando, provavelmente, outros genes em diversos cromossomos. Em drosófilas, o cromossomo Y possui genes que, embora não determine o sexo, estão relacionados com a produção de espermatozoides.
      JUSTIFICATIVA
      – AFIRMATIVA I (“Na maioria das espécies, indivíduos sem cromossomo “X” ou “Z” não conseguem sobreviver por possuírem grande quantidade de genes envolvidos em diversas características, enquanto o cromossomo “Y” ou “W” não afeta a sobrevivência por apresentar pouquíssimos genes.”) – CORRETA
      * Como consta nessa afirmativa, indivíduos sem cromossomo X ou sem cromossomo Z não conseguem sobreviver. Esses cromossomos possuem vários genes envolvidos na determinação de diversas caracteristica. Seus homólogos (Y e W), por outro lado, apresentam pouquíssimos genes, cuja ausência não afeta, via de regra, a sobrevivência do organismo. Haja vista, por exemplo, a síndrome de Turner (X0), na qual as portadoras dessa monossomia (aneuploidia), não apresentam cromossomo Y e sobrevivem.
      – AFIRMATIVA II (“Nas espécies dioicas, tais como a maioria dos vertebrados e das plantas com flores, a determinação do sexo por intermédio do sistema XY ocorre no momento da fecundação e depende da ação de genes específicos, que atuam no desenvolvimento do novo organismo, tornando-o macho ou fêmea.”) – CORRETA
      * Ver “Sistema XY“, acima.
      – AFIRMATIVA III (“No sistema de determinação sexual XY, as fêmeas são capazes de originar apenas um tipo de gameta, com metade dos alossomos e um autossomo sempre X. Já o macho é heterogamético, produzindo gametas com autossomo X ou autossomo Y.”) – INCORRETA
      * Incorreções desta afirmativa:
      I. Os gametas formados pelas fêmeas, no sistema XY, apresentam metade dos autossomos e um alossomos (cromossomos sexuais, heterocromossomos ou idiocromossomos) X e não metade dos alossomos e um autossomo X.
      II. Os gametas produzidos pelos machos, nesse sistema, possuem um alossomos (cromossomos sexuais, heterocromossomos ou idiocromossomos) X ou um alossomos Y e não um autossomo X e um autossomo Y.
      – Ver “DISTRIBUIÇÃO CROMOSSÔMICA DO SEXO” e “Sistema XY“, acima.
      – AFIRMATIVA IV (“No sistema de determinação XO, as fêmeas são homogaméticas por possuírem cromossomos homólogos (XX), originando apenas um tipo de gameta, e os machos são heterogaméticos por possuírem cromossomos homólogos (X0), originando dois tipos de gametas.”) – INCORRETA
      * Ao contrário do que consta nesta afirmativa, no sistema XO, o macho é monossômico quanto ao sexo (XO), não possuindo, portanto, cromossomos sexuais homólogos. Ver “Sistema X0 (tipo protenor)“, acima.
      – AFIRMATIVA V (“No sistema de herança sexual ZW de algumas espécies de répteis e aves, a heterogamia é mostrada pelas fêmeas, por apresentar cromossomos sexuais (ZW), enquanto a homogamia é mostrada pelo macho (ZZ), assim é a fêmea que determina o sexo da prole.”) – CORRETA
      * Ver “Sistema ZW (tipo abraxas)“, acima.
      Um abraço
      Djalma Santos

      • Muito obrigada!

  2. Poderia me explicar a 12, por favor?

    • 12. (UPE-2012) A aplicação do princípio de Hardy-Weinberg, representado pela equação matemática p2 + 2pq + q2, é importante para se estimar a frequência de alelos de doenças hereditárias nas populações. Uma delas é a fenilcetonúria (PKU), detectada pelo teste do pezinho. Os afetados (q2) podem vir a sofrer grave retardo mental ao ingerir fenilalanina, por não possuírem a capacidade de degradar esse aminoácido essencial, encontrado em diversos alimentos, inclusive no leite. Em uma amostra de 2.000 pessoas, verificou-se que os homozigotos recessivos para PKU correspondiam a 4%. Qual a frequência de indivíduos com genótipo dominante homozigoto e heterozigoto respectivamente?
      a) p2 = 0,80; 2pq = 0,20.
      b) p2 = 0,64; 2pq = 0,32.
      c) p2 = 0,54; 2pq = 0,46.
      d) p2 = 0,29; 2pq = 0,67.
      e) p2 = 0,15; 2pq = 0,70.
      Diego
      Veja, a seguir, a resolução da questão acima.
      ALTERNATIVA CORRETA B (“p2 = 0,64; 2pq = 0,32.”)
      JUSTIFICATIVA
      – Considerando a equação que constitui o princípio de Hardy-Weinberg (p2 + 2pq + q2) = 1 = 100% (ver GENÉTICA DE POPULAÇÕES, matéria publicada neste blog no dia 21/08/2013), temos:
      I. p2 = frequência de homozigotos dominantes (AA).
      II. 2pq = frequência de heterozigotos (Aa).
      III. q2 = frequência de homozigotos recessivos (aa).
      * Na população mencionada nesta questão, a frequência de homozigotos recessivos (aa), que corresponde, na equação acima a q2, é igual 4% (0,04). Assim sendo, q (frequência do alelo a) é igual a 0,2 e p (frequência do alelo A) é igual a 0,8.
      * Frequência de indivíduos com genótipo dominante homozigoto (p2) é igual a 0,8 x 0,8 = 0,64 (64%).
      * Frequência de indivíduos heterozigotos (2pq) é igual a 2 x 0,8 x 0,2 = 0,32 (32%).
      – ALTERNATIVA B (“p2 = 0,64; 2pq = 0,32.”).
      – Sugiro que faça uma revisão envolvendo genética de populações, particularmente, o princípio de Hardy-Weinberg.
      – Nível da questão: muito fácil.
      Djalma Santos


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: